Se você acredita no que Jesus disse, não pode acreditar na crise!

03/04/2016 22:23

 

Nas últimas semanas venho refletindo muito sobre as minhas crenças mas, foi em um encontro com amigos que percebi que ou acredito no que eu escolhi como a minha fé, ou acredito no que o sentimento de massa quer me levar a acreditar.

O que era para ser um encontro para descontrair, por diversos momentos teve conversas permeadas pela preocupação com a crise. Haviam aqueles que diziam já estar sofrendo os efeitos da crise e os que não estavam, mas já estavam se preparando para quando ela batesse a sua porta.

 

Parece forçar a barra, com tudo o que se vê na TV e nos meios de comunicação em geral, dizer a alguém para não acreditar na crise e procurar viver a vida esperando pelo melhor. Por outro lado penso que embora não tenham consciência, a maioria das pessoas que acreditam na crise, devem estar passando por um grande conflito:

 

“Se tudo o que acredito que Jesus disse a respeito de Deus é verdade e se acredito em Deus, porque estou me permitindo ter medo da crise?”

 

Por que me preocupar,  se a batalha é de Deus e não do homem?

Por que ter medo de perder o emprego ou, que o dinheiro venha a faltar, se o suprimento vem de Deus e não do Homem?

 

Não dá para acreditar e não acreditar ao mesmo tempo. Cada vez mais, por observação e experiência própria, acredito que a minha vida é um reflexo daquilo que eu escolhi como verdade.

 

Se eu acredito que vai dar certo, não me preocupo.

Se penso que pode dar errado, fico atormentada.

Se penso que já deu certo, começo a agir como se já tivesse acontecido.

 

Outro dia uma pessoa muito próxima a mim, colocou as minhas crenças a prova, apresentando uma situação que me fez refletir. Há anos que ela estava buscando uma solução para a sua vida profissional, e de uns tempos para cá estava decidida a acreditar que mudando as suas crenças , acreditando que era responsável pela construção da sua realidade, poderia obter bons resultados. Com muito afinco ela começou a praticar “o pensamento construtivo”.

 

Em pouco tempo, praticamente de uma semana para a outra, parecia que finalmente a sua estrela havia brilhado e a sua vida ia dar uma guinada, mas a alegria durou uma semana, porque surgiu um obstáculo que parecia que iria desfazer o sonho da realização.

Quando aparentemente o sonho se desfez, esta pessoa me ligou para saber se eu tinha como explicar o que estava acontecendo. Afinal ela pediu uma solução, treinou o pensamento “construtivo” para criar o melhor na sua vida, e quando parecia que a natureza estava conspirando a seu favor, deu tudo errado. Ela queria entender qual era a vontade de Deus, porque ele havia permitido que quando tudo parecia estar dando certo, acontecesse um problema que poderia por em risco tudo o que parecia ser uma idealização perfeita.  Na hora fiquei surpresa com o corrido e sem entender o que estava por trás daquela situação, pedi um tempo para refletir e disse que assim que tivesse um parecer retornaria a ligação.

Por coincidência, naquela semana já havia uma questão que não  saia da minha cabeça: Será que se eu acreditasse, eu realmente poderia ter tudo o que eu quisesse, ou havia um destino já traçado para mim, uma vontade de Deus?

Foi eu desligar o telefone e 3 lembranças vieram a minha mente:

 

1ª. Quando quis voltar ao mercado na área de promoções e eventos surgiu uma entrevista que foi feita em três etapas, e que parecia que na medida em que “eu queria” e “não queria”, o entrevistador também “me queria” e “não me queria” para a vaga. Foi um processo bem demorado, mas no mesmo dia em que eu disse para o universo, “eu quero esse emprego”, recebi a ligação de uma secretária dizendo que a vaga era minha.

 

2ª. Também veio a minha mente uma outra situação em que após ficar desempregada e constatar que a minha verba rescisória não seria suficiente para mais um mês, pedi a Deus um emprego que me garantisse R$ 800,00, que era o valor necessário na época para arcar com todos os meus compromissos financeiros. 15 minutos depois recebi uma ligação com um convite de trabalho, onde os ganhos eram exatamente R$ 800,00.

 

3ª Houve uma vez em que, durante um período sabático,  desejei ter a garantia de recursos financeiros e 20 minutos depois recebi uma proposta de emprego. Eu fiquei em dúvida se queria ou não encerrar o período sabático naquele momento. A impressão que eu tinha era que a minha dúvida estava também, deixando uma dúvida na cabeça do contratante, porque ele também não demonstrou muito interesse em resolver a questão rapidamente. Foi no dia em que eu resolvi transferir a responsabilidade para o universo e disse para mim mesma, “que seja feita a vontade de Deus”, que minutos depois o telefone tocou, era a pessoa que estava me oferecendo a vaga e diante da coincidência, eu não tive outra opção senão aceitar a proposta que me garantiu naquela ocasião uma excelente retirada mensal.

 

Observando essas lembranças e diante de outras informações que eu já tinha tido contato, em minhas pesquisas sobre a vida, cheguei a seguinte conclusão:

Deus nada tinha a ver com o fato das coisas terem dado certo e depois errado para aquela pessoa. Era ela que atraiu uma oportunidade que dava certo e depois errado, pela sua maneira de pensar.

Você deve estar se perguntado, mas é a vontade de Deus? Afinal de acordo com a última lembrança, a do período sabático,  foi quando eu disse “que seja  feita a vontade de Deus”, que eu recebi a ligação confirmando a vaga.

Vou procurar te explicar a questão da “vontade de Deus” , da maneira como tenho compreendido nesta última temporada, através da inter-relação das definições que eu listei abaixo:

 

1.   Deus me deu a Vida por amor;

2.   Deus compartilhou comigo a sua sabedoria infinita para que eu assim como ele, pudesse criar a expressão perfeita nos mais diversos aspectos da vida;

3.   Como o amor de Deus é verdadeiro ele me deu o livre arbítrio, para que eu possa escolher o que criar;

4.   Como Deus me deu o livre arbítrio ele apóia todas as minhas escolhas, ou seja, não há julgamento, eu posso usar o meu poder da criação para criar o que eu quiser.

5.   Tudo o que eu tenho que fazer é escolher o que eu quero criar;

6.    A minha realidade é a manifestação das minhas escolhas.

7.   Eu escolho quem eu quero ser;

8.   Eu escolho o que eu quero ter;

9.   Eu escolho no que eu quero acreditar.

 

No meu intimo, na minha essência, eu sempre sei o que é o melhor, mas nem sempre as minhas escolhas são feitas com a minha consciência do melhor.

 

Por que isso acontece ?

 

A vida não existiria sem o sentimento, o sentimento gera as várias maneiras de perceber a vida, as várias maneiras de perceber a vida determinam as nossas crenças.

 

E é ai que entramos em um ciclo de criação onde sentimentos criam crenças, crenças criam escolhas e escolhas criam pensamento e ações que geram a realidade.

 

O fato é que para alcançar resultados (sejam eles bons ou ruins) sentimentos e crenças devem estar alinhados com a mesma lógica.

 

No meu ver só existe uma maneira de escapar das “crenças improdutivas”, das “crenças que não  manifestam a expressão perfeita”, é aniquilando toda e qualquer crença que não esteja associada a bons sentimentos.

 

E como explicar a vontade de Deus? No meu ver a vontade de Deus é que eu aprenda a criar a expressão perfeita em todos os aspectos da vida. Quando eu apelo para que seja feita a vontade de Deus, penso que o que acontece é que eu consigo acessar a opção que eu internamente “acredito que é a melhor para mim”.

 

Pedir que “se faça a vontade de Deus,” é uma maneira de se isentar da responsabilidade da realidade que você mesmo criou. No íntimo você faz a sua escolha, a coisa acontece e (sendo boa ou ruim) você diz que foi a vontade de Deus.

 

Talvez o melhor seja pedir que se faça a sua vontade com Deus. Desta forma você se responsabiliza pelas suas escolhas, contando com a sabedoria divina, contando com a lógica do amor de Deus. E assim tudo o que você pedir será bom, será perfeito e lhe será dado.

 

Com Deus, não há com o que se preocupar, porque a batalha é de Deus e não do Homem. O Deus que há em você é que vai cuidar de lhe dar condições, para superar todo e qualquer obstáculo.

 

Com Deus, você vai saber que o suprimento vem de Deus e não do Homem e que por isso não há porque se preocupar com o desemprego ou a falta de recursos financeiros.


 

Para refletir:

 

Quando estiver em dúvida, lembre-se que,

... “Ninguém pode servir a dois senhores...” (Mateus 6:24).

 

Atenção dividida é igual a resultado dividido.

 

Quando sentir medo, lembre-se que,

“Porque, assim como o corpo sem espírito é morto, assim também a fé sem obras é morta...” (Tiago 2.26).

 

Não adianta dizer que acredita, é preciso agir de acordo com a sua crença!


 

Para aqueles que gostaram do assunto, sugiro lerem ou relerem o post “O Poder do Pensamento”

que escrevi no dia 05∕11∕2015

Acesse o link: http://www.praticandooconhecimento.com.br/news/o-poder-do-pensamento/

 

 

Tópico: Se você acredita no que Jesus disse, não pode acreditar na crise!

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário

Newsletter

GOSTARIA DE RECEBER GRATUITAMENTE NOVOS POSTS? DEIXE SEU E-MAIL LOGO ABAIXO


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!